Logotipo
Unionpédia
Comunicação
Disponível no Google Play
Novo! Faça o download do Unionpédia em seu dispositivo Android™!
Livre
Acesso mais rápido do que o navegador!
 

Ninidrina

Índice Ninidrina

A ninidrina (2,2-diidroxi-hidrindeno-1,3-diona) é um produto químico utilizado para a detecção de aminas primárias, particularmente de aminoácidos.

8 relações: Amina, Aminoácido, Cetona, Etanol, Impressão digital, Lisina, Química, 1,3-Indandiona.

Amina

As aminas são uma classe de compostos químicos orgânicos nitrogenados derivados do amoníaco (NH3) e que resultam da substituição parcial ou total dos hidrogênios da molécula por grupos hidrocarbónicos (radicais alquilo ou arilo – frequentemente abreviados pela letra R).

Novo!!: Ninidrina e Amina · Veja mais »

Aminoácido

Aminoácidos são compostos quaternários de carbono (C), hidrogênio (H), oxigênio (O) e nitrogênio nio (N) - também chamado de azoto em Portugal- às vezes contêm enxofre (S), como a cisteína.

Novo!!: Ninidrina e Aminoácido · Veja mais »

Cetona

Em química, as cetonas são compostos orgânicos caracterizados pela presença do grupamento —C(.

Novo!!: Ninidrina e Cetona · Veja mais »

Etanol

O etanol (CH3CH2OH ou C2H6O), também chamado álcool etílico e, na linguagem corrente, simplesmente álcool, é uma substância orgânica obtida da fermentação de açúcares, hidratação do etileno ou redução de acetaldeído, encontrado em bebidas como cerveja, vinho e aguardente, bem como na indústria de perfumaria.

Novo!!: Ninidrina e Etanol · Veja mais »

Impressão digital

Datilograma, ou impressão digital, registrado em papel. Impressão digital (tecnicamente datilograma ou dermatoglifo) é o desenho formado pelas papilas (elevações da pele), presentes nas polpas dos dedos das mãos, deixado em uma superfície lisa.

Novo!!: Ninidrina e Impressão digital · Veja mais »

Lisina

A Lisina é um aminoácido polar básico, codificado pelos códons AAA e AAG. Altamente solúvel em água, foi descoberta em 1889 por Edmund Drechsel, que a isolou pela primeira vez a partir da caseína. Sua estrutura foi elucidada três anos depois. Em humanos, o aminoácido lisina é exclusivamente cetogênico. A degradação do aminoácido lisina em mamíferos ocorre através de duas vias catabólicas: a via de sacaropina e a via do ácido pipecólico. Ambas as vias geram acetil-CoA, importante componente do Ciclo de Krebs. Em circunstâncias normais, um ser humano consome quantidade suficiente de lisina através da alimentação. A falta desse aminoácido pode ocasionar crescimento lento, fadiga, náusea, tontura, perda de apetite e distúrbios reprodutivos. É encontrada principalmente em alimentos ricos em proteínas como: carnes, frutos do mar, produtos à base de soja, leite e derivados. Em menor concentração, é encontrada em verduras e legumes. O excesso de lisina no organismo pode resultar em diarreia, dor de estômago, aumento do colesterol, danos hepáticos e renais. O aminoácido lisina começou a ser adicionado na ração de animais de abate na segunda metade do século passado. Para alguns animais, como porcos, é um aminoácido limitante. A suplementação com lisina proporciona a utilização de rações com componentes mais baratos, porém mantém boas taxas de proteínas e crescimento para os animais. Estima-se que a produção anual do aminoácido ultrapasse 600.000 toneladas.

Novo!!: Ninidrina e Lisina · Veja mais »

Química

Química é a ciência que estuda a composição, estrutura, propriedades da matéria, as mudanças sofridas por ela durante as reações químicas e a sua relação com a energia.

Novo!!: Ninidrina e Química · Veja mais »

1,3-Indandiona

1,3-Indandiona é um anticoagulante utilizado como raticida.

Novo!!: Ninidrina e 1,3-Indandiona · Veja mais »

CessanteEntrada
Ei! Agora estamos em Facebook! »