Logotipo
Unionpédia
Comunicação
Disponível no Google Play
Novo! Faça o download do Unionpédia em seu dispositivo Android™!
Faça o download
Acesso mais rápido do que o navegador!
 

Guerra dos Palmares

Índice Guerra dos Palmares

Denomina-se Guerra dos Palmares o conjunto de campanhas militares que culminou na erradicação do Quilombo dos Palmares, no Brasil, na segunda metade do século XVII.

19 relações: Alagoas, Artilharia, África, Bandeirantes, Bernardo Vieira de Melo, Brasil, Caetano de Melo e Castro, Capitania de Pernambuco, Colonização do Brasil, Domingos Jorge Velho, Escravidão, Indígenas, Quilombo, Quilombo dos Palmares, Recife, Século XVII, Serra da Barriga, Zumbi dos Palmares, 1695.

Alagoas

Alagoas é uma das 27 unidades federativas do Brasil.

Novo!!: Guerra dos Palmares e Alagoas · Veja mais »

Artilharia

A artilharia é uma das armas das forças armadas, sendo aquela que produz fogos potentes e profundos.

Novo!!: Guerra dos Palmares e Artilharia · Veja mais »

África

A África é o terceiro continente mais extenso (depois da Ásia e da América) com cerca de 30 milhões de quilômetros quadrados, cobrindo 20,3 % da área total da terra firme do planeta.

Novo!!: Guerra dos Palmares e África · Veja mais »

Bandeirantes

Bandeirantes é a denominação dada aos sertanistas do período colonial, que, a partir do início do século XVI, penetraram no interior da América do Sul em busca de riquezas minerais, sobretudo o ouro e a prata, abundantes na América espanhola, indígenas para escravização ou extermínio de quilombos.

Novo!!: Guerra dos Palmares e Bandeirantes · Veja mais »

Bernardo Vieira de Melo

Bernardo Vieira de Melo (Muribeca, 1658 Lisboa, 1714) foi um sertanista e administrador colonial luso-brasileiro.

Novo!!: Guerra dos Palmares e Bernardo Vieira de Melo · Veja mais »

Brasil

Brasil (pronuncia-se localmente A vocalização do no fim das sílabas geralmente só não acontece em dialetos influenciados pelos vizinhos falantes da língua castelhana, como na pampa rio-grandense – –, entretanto, em dialetos conservadores do interior do planalto, comumente referidos por caipira, o novo semivogal é um rótico retroflexo, fone herdado de línguas indígenas macro-jê, e não lábio-velar, daí, hoje muito menos comum por pressão sociolinguística da variedade de prestígio. Em todas, assume-se uma prosódia de conversa cotidiana. Em uma prosódia mais clara e formal, como a midiática, geralmente usa-se. Esta mudança de pronúncia da vogal átona pré-tônica não ocorre nas variedades de outros países falantes da língua portuguesa, que conservam a redução de para, para e para considerada mais coloquial no Brasil.), oficialmente República Federativa do Brasil, é o maior país da América do Sul e da região da América Latina, sendo o quinto maior do mundo em área territorial (equivalente a 47% do território sul-americano) e sexto em população (com mais de 200 milhões de habitantes).

Novo!!: Guerra dos Palmares e Brasil · Veja mais »

Caetano de Melo e Castro

Caetano de Melo e Castro (—) foi um administrador colonial português.

Novo!!: Guerra dos Palmares e Caetano de Melo e Castro · Veja mais »

Capitania de Pernambuco

A Capitania de Pernambuco ou Nova Lusitânia foi uma das subdivisões do território brasileiro no período colonial.

Novo!!: Guerra dos Palmares e Capitania de Pernambuco · Veja mais »

Colonização do Brasil

A Colonização do Brasil, processo também conhecido como Brasil Colônia ou Brasil colonial, ocorreu no período colonial entre os séculos XVI e XIX, em que o território brasileiro era uma colônia do império ultramarino português.

Novo!!: Guerra dos Palmares e Colonização do Brasil · Veja mais »

Domingos Jorge Velho

Domingos Jorge Velho (Santana do Parnaíba, — Piancó) foi um bandeirante português nascido na colônia do Brasil, se tornou celebre por ter comandado a destruição do Quilombo dos Palmares.

Novo!!: Guerra dos Palmares e Domingos Jorge Velho · Veja mais »

Escravidão

francês Jean-Léon Gérôme Fotografia de um menino escravo em Zanzibar, em 1890 A escravidão (denominada também de escravismo, escravagismo ou escravatura) é a prática social em que um ser humano assume direitos de propriedade sobre outro designado por escravo, imposta por meio da força.

Novo!!: Guerra dos Palmares e Escravidão · Veja mais »

Indígenas

Índia Tobá (Brasil) fotografada por Marc Ferrez, 1876. São designados como povos aborígenes, autóctones, nativos, ou indígenas aqueles que viviam numa área geográfica antes da sua colonização por outro povo ou que, após a colonização, não se identificam com o povo que os coloniza.

Novo!!: Guerra dos Palmares e Indígenas · Veja mais »

Quilombo

Os quilombos constituíram-se em locais de refúgio dos escravos africanos e afrodescendentes em todo o continente americano.

Novo!!: Guerra dos Palmares e Quilombo · Veja mais »

Quilombo dos Palmares

O Quilombo dos Palmares foi um quilombo da era colonial brasileira.

Novo!!: Guerra dos Palmares e Quilombo dos Palmares · Veja mais »

Recife

Recife é um município brasileiro, capital do estado de Pernambuco, localizado na Região Nordeste do país.

Novo!!: Guerra dos Palmares e Recife · Veja mais »

Século XVII

O século XVII durou de 1601 a 1700 no Calendário Gregoriano.

Novo!!: Guerra dos Palmares e Século XVII · Veja mais »

Serra da Barriga

Serra da Barriga está localizada no atual município de União dos Palmares, no estado de Alagoas.

Novo!!: Guerra dos Palmares e Serra da Barriga · Veja mais »

Zumbi dos Palmares

Zumbi (Serra da Barriga, 1655 — Serra Dois Irmãos, 20 de novembro de 1695), também conhecido como Zumbi dos Palmares, foi uma importante figura guerreira na história brasileira, sendo reconhecido como um dos pioneiros na resistência contra a escravidão.

Novo!!: Guerra dos Palmares e Zumbi dos Palmares · Veja mais »

1695

---- (na numeração romana) foi um ano comum do século XVII do actual Calendário Gregoriano, da Era de Cristo, e a sua letra dominical foi B (52 semanas), teve início a um sábado e terminou também a um sábado.

Novo!!: Guerra dos Palmares e 1695 · Veja mais »

Redireciona aqui:

Guerra de Palmares.

CessanteEntrada
Ei! Agora estamos em Facebook! »